25 de Abril

Ontem abriram as portas de mais uma edição da Feira do Livro de Lisboa. Por isso e por hoje ser 25 de Abril sugerimos um livro  escrito por um dos nossos autores preferidos da literatura infanto-juvenil, José Jorge Letria e ilustrado por José Pedro Costa.
Para falar de Abril, do 25 de Abril, aos mais novos – e não só – de entre várias as opções nas prateleiras das livrarias e bibliotecas, escolhemos “Capitães de Abril“, editado pela Ambar, que descreve assim esse dia:

“Na madrugada do dia 25 de Abril de 1974, o povo português recuperava a liberdade perdida 48 anos antes.
Essa liberdade foi-Ihe devolvida por um grupo de jovens oficiais – os Capitães de Abril – que, cansados da guerra em Africa e da falta de democracia, decidiram pôr termo a décadas de medo e silêncio. O 25 de Abril foi uma revolução pacífica e um tempo de festa que, quem o viveu, nunca mais pôde esquecer. Os valores e os princípios em nome dos quais foi feito continuam a ser válidos nos dias de hoje e, por isso, devem ser transmitidos às gerações mais jovens.
0 25 de Abril é, antes de qualquer outra coisa, sinónimo de liberdade, de democracia, de tolerância e de modernização do país. Assim, deve ser entendido, lembrado e cumprido no futuro. “

Santa Maria de Salzedas, um mosteiro cisterciense

Claustro do Mosteiro de Salzedas

Reabriu ao público, no dia 26 de Outubro, o Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, integrado no “Projecto Vale do Varosa”, que tem como objectivo, nos próximos 20 anos, recuperar vários mosteiros da região.

Luís Sebastian, coordenador do projecto recordou que “o estado de degradação do edifício e do seu espólio era tal que a maior parte das pessoas não se apercebia do espectáculo de pintura” ali existente. Gabriel Andrade e Silva, arquitecto responsável pela recuperação, fala das relíquias que descobriu durante a obra: “Encontrámos uma estrutura de cobertura que é uma relíquia e, durante o processo de restauro da zona da sacristia e do caminho de acesso à Igreja, apareceu uma porta que daria para um caminho entre a parede da capela-mor”.

Na ocasião foi também apresentado do livro infantil “O Mosteiro de Santa Maria de Salzedas: as formigas, o gaio e as pedras”, com textos de José Jorge Letria e ilustrações de Elsa Lé, editado pela Trinta por uma linha, que re-conta uma lenda relacionada com a fundação do mosteiro.

O segredo do papa-formigas

É pelas mãos da Kalandraka que nos chega “O segredo do papa-formigas“, mais um livro de cabeceira que o convidamos a descobrir. Um conto em 31 poemas, em 31 pequenas estórias portagonizadas por uma menina e por um “velho tigre” à hora de dormir.

Escrito pela professora Beatriz Osés e belissimamente ilustrado por Miguel Angél Diéz, “O segredo do papa-formigas” foi vencedor do Prémio de Poesia para Crianças – Cidade de Orihuela – de 2008.

Leia em voz alta e delicie-se!

“O velho tigre”
Sabe da noite,
sabe das fadas…
Acende pirilampos,
conta-me em voz baixa.
Conhece o mistério
do arganaz traquinas,
dos bichos-bola,
do papa-formigas.

A Lenda de Despereaux

“O mundo é escuro e a luz preciosa.
Aproxima-te, querido leitor.
Deves confiar em mim.
Vou contar-te uma história.”

É num tom de convite que se inicia este livro cujo portagonista conhecemos do grande ecran. O que talvez muitos não saibam é que “A Lenda de Despereaux”, de Kate DiCamillo, ganhou inúmeros prémios e distinções, tendo sido Best Seller do New York Times, por mais de 90 semanas no Top.
Este livro chega-nos numa belissima edição da Gailivro, com ilustrações de Timothy Basil Ering, que nos transportam para um reino encantado, com reis e princesas, conchas e panelas de sopa, homens, ratos e ratazanas. Após inumeras aventuras o nosso “herói improvável” descobre que pode ser tão corajoso quanto o mais temeroso cavaleiro andante e que para se ser feliz para sempre nem sempre se tem de casar com uma princesa…

Novos Contos de Fadas

Editado em 1990 pela Editorial Presença, Novos Contos de Fadas, de Terry Jones e ilustrado por Michael Foreman, é um dos livros recomendados pelo Plano Nacional de Leitura, sendo sugerido como leitura com apoio do educador ou dos pais ou como livro para iniciação à leitura autónoma. Como curiosidade para os pais, gostariamos de dizer que o autor, professor de inglês em Oxford e amante de literatura medieval, faz parte do grupo Monthy Python.

Este livro, embora escrito nos dias de hoje, transporta-nos para o velho imaginário e moral dos contos de fadas levando-nos para terras de dragões, princesas, cavalos de pão de ló, gigantes tenebrosos e navios de ossos que fazem gelar o sangue ao mais intrépido marinheiro.

Escritos para serem lidos em voz alta, os Novos Contos de Fadas são uma excelente sugestão para a hora de deitar.

Lendas da História de Portugal

Conheces a história da Moura Salúquia? E sabes o que aconteceu a Martim Moniz? Quem era, afinal, Brites de Almeida?

O livro lendas da História de Portugal conta-nos “algumas das mais famosas lendas” relacionadas com factos e pessoas decisivos no desenrolar da história portuguesa. Baseadas enmacontecimentos reais, com fundo de verdade, estas narrativas misturam-se quase sempre com “muitos elementos de fantasia, que lhes foram sendo acrescentados, oralmente, ao longo dos anos”.

(re)Contadas por Carlos Rebelo e Ilustradas por Jorge Miguel, aqui se recuperam, entre outras, as lendas de São Vicente e dos corvos que acompanharam a barca que trouxe até Lisboa os seus restos mortais, da Batalha de Ourique e de como Cristo intercedeu pela vitória de Afonso Henriques sobre os mouros, da salvação de D. Fuas Roupinho de uma morte certa nas escarpas da Nazaré ou de D. Sebastião, o rei eternamente esperado que regressará a Portugal numa manhã de nevoeiro…

Lê, aprende e diverte-te com as estórias da História.

Uma Viagem ao Tempo dos Castelos

Lançado pela primeira vez em 1985, o livro Uma Viagem ao Tempo dos Castelos é o primeiro da colecção Viagens no Tempo, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada. Os livros contam as aventuras dos irmãos Ana e João e do cientista Orlando, membro da AIVET, a Associação Internacional de Viagens no Espaço e no Tempo, que leva os dois irmãos a fazer viagens ao passado. Esta primeira aventura relata como Ana e João conhecem o velho cientista Orlando, enquanto passam férias na quinta de uma tia no Marão.

Ao chegarem à quinta, os dois irmãos ouvem rumores sobre um velho louco que habita o castelo da aldeia, assustando as gentes da terra, e cheios de curiosidade, decidem ir espreitar o que se passa. É então que conhecem Orlando, um respeitável cientista da AIVET, que desde logo simpatiza com os dois, e os convida a regressar até ao início do reinado de Afonso Henriques na sua fantástica máquina de viagens no tempo. Asssim, pouco depois de embarcaram na máquina de Orlando, Ana e João vêem-se no meio de Portugal medieval, cavalgando «em florestas infestadas de lobos acompanhando uma caçada ao javali. Mas a viagem reserva-lhes muitos outros momentos de perigo e emoção e um encontro inesquecível com o jovem Afonso Henriques em vésperas de se tornar o primeiro rei de Portugal.»

Uma Viagem ao Tempo dos Castelos é uma forma viva e cativante de aprender História, que leva as crianças a sentirem-se parte das aventuras, estórias e lugares da História de Portugal. Esta é uma excelente sugestão para se conhecer um pouco mais dos primeiros anos da nacionalidade, entre castelos e as conquistas e feitos de Afonso Henriques e dos seus homens.