Dia Mundial da Criança

E por que hoje é Dia da Criança, deixamos aqui a nossa homenagem à Mafalda, de Quino, a contestatária política e acérrima defensora dos direitos da criança (e não só).

Muito presente nas campanhas pela defesa dos Direitos Humanos, em 1976 Quino foi convidado pela UNICEF a ilustrar um poster sobre a Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Mais do que um dia para se dar uma prenda este é o dia convencionado para a comemoração da assinatura deste documento pela ONU.

A voz das vítimas, o revisitar da prisão do Aljube.

A voz das vítimas é uma exposição organizada pela Fundação Mário Soares, o Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e o Movimento Cívico Não Apague a Memória!,em colaboração com a Câmara Municipal de Lisboa.

O espaço escolhido para acolher a exposição é a antiga Cadeia do Aljube, cenário que, a partir de 1928, terá cruzado a vida dos rostos que têm voz com este projecto e de muitos mais. A ” ideia de fazer justiça às vítimas da repressão durante a ditadura, mostrando, de modo necessariamente breve, como esta se organizou e quais foram as condições em que milhares de homens e mulheres a sofreram, nas masmorras daquele regime, na tortura e, algumas vezes, morrendo pelos seus ideais.”

A exposição, que se desenrola por 3 pisos do edifício, evoca a história do edificado, que terá funcionado como espaço prisional para civis desde o século XIX, apresenta os resultados das escavações arqueológicas que nele decorreram e dá particular destaque, através de conteúdos escritos e audiovisuais, à sua utilização como prisão política durante a ditadura.

A par da exposição propriamente dita vão desenrolar-se diversas actividades em torno desta temática que poderá ir acompanhando on-line.

A exposição, com entrada gratuita, poderá ser vista todos os dias até dia 5 de Outubro.

Porque esta parte da História é nossa e há coisas que não podemos deixar cair no esquecimento.

O mistério de Gioconda

Mona Lisa, Leonardo da Vinci (1503-1505) Musée du Louvre

Um dos maiores mistérios da história da Arte refere-se à identidade da mulher que Leonardo da Vinci retratou como Mona Lisa.

Mais de quinhentos anos depois da sua pintura, o pequeno quadro levanta inúmeras questões e continua a apaixonar tanto os estudiosos como o público geral, tendo-se tornado provavelmente na obra de arte mais famosa do mundo.
Pintada entre 1503 e 1505 por aquele que é considerado um dos maiores génios da Humanidade, a Mona Lisa representa uma mulher serena e introspectiva, que foge aos padrões de beleza renascentistas. Tornou-se objecto de curiosidade e fama praticamente desde que foi terminada, e foi o próprio Leonardo da Vinci que levou o quadro para França quando passou a residir na corte de Francisco I (o que indica que nunca entregou a obra ao seu suposto encomendante…).
No entanto, a pergunta mantém-se: quem era esta mulher de olhar enigmático?
 

auto-retrato de Leonardo da Vinci

Várias teses têm sido avançadas nos últimos anos.
Há quem afirme que este é um auto-retrato de Leonardo vestido de mulher, uma vez que os traços do rosto sorridente da misteriosa mulher serão coincidentes com os traços do rosto de da Vinci.
Porém, a teoria mais aceite sobre a identidade é a que afirma que o pintor toscano retratou Lisa Gherardini, mulher do comerciante florentino Francesco del Giocondo, em celebração pela sua recente maternidade. A verdade é que pouco se sabe sobre a vida desta mulher e, além disto, esta atribuição resulta de uma expressão que em 1625 referia que o quadro representa “uma determinada Gioconda”, expressão que em italiano significa também “a risonha”. Poderia portanto referir-se a Lisa Gherardini ou a outra qualquer mulher sorridente.
 
Desta forma,a dúvida manteve-se durante séculos, criando uma aura de mistério em torno do quadro.
 
Recentemente foi descoberta uma certidão que confirma que Lisa Gherardini, esposa do rico comerciante de sedas Francisco del Giocondo, morreu em 1542 e foi enterrada no mosteiro de Sant’Orsola, em Florença. Assim, uma equipa de investigadores liderada pelo historiador de arte Silvano Vinceti decidiu identificar os restos mortais de Lisa e exumá-los para, a partir do esqueleto, reconstituir os traços do rosto da nobre florentina e confirmar se a mulher retratada por Leonardo é, de facto, a Gioconda. Apesar da polémica e contestação contra a investigação, que sempre surgem em casos de reconstituições físicas de figuras históricas, os investigadores italianos, estão convictos de que serão bem sucedidos (veja o vídeo aqui).

Será desta que finalmente é desvendado o mistério do sorriso de Mona Lisa?

Dia Mundial do Livro

Hoje comemora-se o Dia Mundial do Livro. E ainda que a chuva o possa impedir de aproveitar o fim de semana alargado, nada como um livro para passar uma boa tarde de sábado. Se está em Lisboa, e tiver a sorte de conseguir uma “aberta” para passear pela cidade, vá até ao Miradouro de São Pedro de Alcântara, onde se celebra o Sant Jordi, o dia de São Jorge ao modo catalão, em que é costume oferecer uma rosa e um livro à pessoa amada.

Divirta-se, e bons livros!