Santa Maria de Salzedas, um mosteiro cisterciense

Claustro do Mosteiro de Salzedas

Reabriu ao público, no dia 26 de Outubro, o Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, integrado no “Projecto Vale do Varosa”, que tem como objectivo, nos próximos 20 anos, recuperar vários mosteiros da região.

Luís Sebastian, coordenador do projecto recordou que “o estado de degradação do edifício e do seu espólio era tal que a maior parte das pessoas não se apercebia do espectáculo de pintura” ali existente. Gabriel Andrade e Silva, arquitecto responsável pela recuperação, fala das relíquias que descobriu durante a obra: “Encontrámos uma estrutura de cobertura que é uma relíquia e, durante o processo de restauro da zona da sacristia e do caminho de acesso à Igreja, apareceu uma porta que daria para um caminho entre a parede da capela-mor”.

Na ocasião foi também apresentado do livro infantil “O Mosteiro de Santa Maria de Salzedas: as formigas, o gaio e as pedras”, com textos de José Jorge Letria e ilustrações de Elsa Lé, editado pela Trinta por uma linha, que re-conta uma lenda relacionada com a fundação do mosteiro.

O segredo do papa-formigas

É pelas mãos da Kalandraka que nos chega “O segredo do papa-formigas“, mais um livro de cabeceira que o convidamos a descobrir. Um conto em 31 poemas, em 31 pequenas estórias portagonizadas por uma menina e por um “velho tigre” à hora de dormir.

Escrito pela professora Beatriz Osés e belissimamente ilustrado por Miguel Angél Diéz, “O segredo do papa-formigas” foi vencedor do Prémio de Poesia para Crianças – Cidade de Orihuela – de 2008.

Leia em voz alta e delicie-se!

“O velho tigre”
Sabe da noite,
sabe das fadas…
Acende pirilampos,
conta-me em voz baixa.
Conhece o mistério
do arganaz traquinas,
dos bichos-bola,
do papa-formigas.

Frida Kahlo – As Suas Fotografias

“Sabia que o campo de batalha do sofrimento se reflectia nos meus olhos. Desde então, comecei a encarar directamente a objectiva, sem pestanejar, sem sorrir, decidida a mostrar que seria uma excelente lutadora até ao final.” Frida Kahlo



Até dia 29 de Janeiro de 2012, no Pavilhão Preto do Museu da Cidade, não deixe de ver a exposição “Frida Kahlo – As Suas Fotografias”, composta por um selecção de 257 fotografias do acervo da Casa Azul – Museu Frida Kahlo.

“Esta exposição que mostra uma série de fotografias que pertenciam ao acervo pessoal da artista, na sua maioria desconhecidas, divide-se em seis núcleos: Os Pais: Guillermo e Matilde; A Casa Azul; O Corpo Acidentado; Os Amores de Frida; A Fotografia e a Luta Política. Não se pretende apresentar uma cronologia da vida e obra de Frida Kahlo, mas antes, mostrar pedaços da sua história pessoal e da sua intimidade, de um país e de uma época, permitindo também descobrir novas facetas de uma das personalidades mais complexas e enigmáticas do século XX.”

São fragmentos de história, retratos do quotidiano, de um percurso e das pessoas que passaram pela vida da artista, nomeadamente outros artistas com quem se cruzou e que a fotografaram, como por exemplo Man Ray, Tina Modotti, Martin Munkácsi, Fritz Henle, Adward Weston, Brassai, Pierre Verger ou Lola y Manuel Álvarez.

Para saber mais, espreite aqui e aqui.

A Lenda de Despereaux

“O mundo é escuro e a luz preciosa.
Aproxima-te, querido leitor.
Deves confiar em mim.
Vou contar-te uma história.”

É num tom de convite que se inicia este livro cujo portagonista conhecemos do grande ecran. O que talvez muitos não saibam é que “A Lenda de Despereaux”, de Kate DiCamillo, ganhou inúmeros prémios e distinções, tendo sido Best Seller do New York Times, por mais de 90 semanas no Top.
Este livro chega-nos numa belissima edição da Gailivro, com ilustrações de Timothy Basil Ering, que nos transportam para um reino encantado, com reis e princesas, conchas e panelas de sopa, homens, ratos e ratazanas. Após inumeras aventuras o nosso “herói improvável” descobre que pode ser tão corajoso quanto o mais temeroso cavaleiro andante e que para se ser feliz para sempre nem sempre se tem de casar com uma princesa…