Os Fortes das Linhas de Torres Vedras (II) – Loures e Vila Franca de Xira

Em 2007 a  PILT – Plataforma Intermunicipal para as Linhas de Torres – composta pelos concelhos de Arruda dos Vinhos, Loures, Mafra, Sobral de Monte Agraço e Vila Franca de Xira deu início ao projecto Rota Histórica das Linhas de Torres, com acompanhamento técnico do IGESPAR  e apoio do Exército Português. O projecto tem como objectivo “salvaguardar, recuperar e valorizar uma componente significativa do património arquitectónico/ militar integrante das Linhas de Torres Vedras, criando uma rota turística de excelência. Em articulação com outras valências patrimoniais, ambientais, gastronómicas, desportivas e museológicas.”

A Rota Histórica é uma forma divertida e original de entender um pouco da nossa história recente, uma vez que proporciona visitas ao ar livre e percursos entre as fortalezas, incentivando-nos a descobrir um pouco do ambiente em que se edificou esta magnífica obra defensiva. Esta semana, sugerimos que conheçam e explorem as fortalezas das Linhas de Torres Vedras mais próximas da capital, situadas nos concelhos de Loures e Vila Franca de Xira.

Compostas por 152 obras militares, as Linhas de Torres Vedras foram edificadas entre 1809 e 1811 pelo exército anglo-luso com o objectivo de defender Lisboa da 3.ª Invasão das tropas francesas. O sistema defensivo situa-se a Norte da capital, ligando o Oceano Atlântico ao Tejo através de duas linhas de fortes, redutos e baterias.

Loures – Circuito Alrota/Arpim

Reduto da Ajuda Grande

Em Loures, estão reabilitados os Redutos da Ajuda Grande e Ajuda Pequeno e o Forte do Arpim, tendo sido delineado um circuito pedestre entre as duas fortificações. Para preparar a visita, pode descarregar o roteiro em pdf que explica de forma clara e concisa o objectivo defensivo de cada um dos fortes, bem como descreve a sua estrutura arquitectónica.

Forte do Arpim

O circuito oferece “a leitura de um extenso território com magnífica paisagem rural”. Os dois redutos, situados perto da aldeia de Alrota, são um ponto de ligação entre as duas linhas defensivas, pelo que funcionam como posição avançanda, “facilitando ao visitante a leitura territorial deste importante sistema defensivo”. O Forte do Arpim, que possuí canhoeiras em terra com vestígios de madeira (sinal da rapidez com que estas fortalezas foram edificadas) tem ainda o paiol de alvenaria, “peça única devido ao seu excelente estado de conservação.”

A Câmara de Loures disponibilizou, ainda, um vídeo que nos permite visualizar a história destas duas fortalezas e a forma como o município tem dinamizado este circuito.

Vila Franca de Xira – Centro Interpretativo das Linhas Defensivas do Forte da Casa

Ocupando o Reduto n.º 38 da 2.ª linha defensiva – estrutura militar que viria a dar o nome à freguesia – o Centro Interpretativo e o respectivo núcleo museológico, situado no paiol do forte, pretende “dar a conhecer o impacto que as invasões tiveram na população da região e a importância estratégica que teve no âmbito das restantes construções.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s