O Egipto na FLUL

Decorrerá entre 12 de Outubro e 21 de Dezembro do corrente ano na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa o IV curso de Egiptologia. Composto por 12 sessões abordará, entre outras, as seguintes temáticas: As Rainhas no Antigo Egipto, O Egipto do Império Novo, O Egipto na Mitologia Grega ou o Egipto Greco-Romano.

Sendo uma temática que apaixona dos 8 aos 80 não deixe de aproveitar a oportunidade que a FLUL oferece.

Para saber mais contacte o Centro de História através do seguinte endereço: centro.historia@fl.ul.pt.

125 anos a viver Loures

Neste final de semana propomos-lhe uma viagem até à região saloia para visitar a exposição 125 anos a viver Loures, em exibição na Galeria Municipal Vieira da Silva, situada no Pavilhão de Macau, no Parque da Cidade de Loures. A mostra percorre os 125 anos de história do concelho, «um território vasto, marcado por diferenças profundas, com forte componente rural e uma face urbana cada vez mais vincada». Desta forma, somos convidados a fazer uma «viagem pelo tempo e pelas tradições» do município de Loures, que teve como seu primeiro presidente o historiador Anselmo Braancamp Freire.

A exposição começa por nos transportar até à zona saloia em finais do século XIX, quando o território que compõe o concelho era predominantemente rural, e a  qualidade dos solos e das águas eram propícias à produção agrícola. A quantidade e variedade de alimentos produzidos era tal que a região abastecia a cidade de Lisboa, cujas ruas eram então «inundadas pelo perfume e pelos pregões dos saloios na venda dos seus produtos.»

Depois, percorre o crescimento industrial do concelho – com, por exemplo, uma notável mostra de desenhos da Fábrica de Móveis Olaio e de loiças da Fábrica de Loiça de Sacavém – em contraste com a ruralidade das suas feiras regionais, do espaço da várzea, nunca esquecendo o crescimento populacional, numa primeira fase marcada pela migração de tantos homens e mulheres das zonas mais remotas e interiores do país, e numa segunda fase pela fixação de populações imigrantes.

Destacamos um dos elementos mais curiosos da exposição, a referência a uma importante descoberta arqueológica feita em 1941 na várzea de Loures. Quando da construção de canais naquela zona, foi encontrado pelo arqueólogo G. Zbyszewski um Elephas antiquus. Os vestígios do animal, cuja datação permitiu determinar que percorreu a região há cerca de 82 mil anos, indicavam que havia sido atacado por grupos de caçadores recolectores da região.

Aproveita ainda esta sugestão para passar uma tarde de lazer no Parque da Cidade, um belíssimo espaço ao livre.

Horários da Galeria Municipal Vieira da Silva : Segunda a Sábado das 10h às 13h e das 14h às 18h. Encerra ao Domingo e Feriados.

Queres ser um Picasso?

Hoje propomos uma divertida actividade on-line para crianças e adultos. Que tal fazeres o teu próprio Picasso?

Com o Picasso Head podes fazer um retrato cubista, tal como Pablo Picasso fazia. Como um jogo interactivo, basta escolheres os itens sugeridos pelo menu e arrastá-los, com o mouse, para a tela virtual. Rosto, olhos, sobrancelhas ou lábios, um toque de cor, e já está! Assina a tua obra de arte, e imprime-a para decorar a porta do teu quarto, ou até mesmo da casa de banho.

Diverte-te.

A menina que detestava livros

Recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para leitores, A menina que detestava livros é uma “narrativa metafórica sobre a descoberta do prazer da leitura” que transporta os mais pequenos para o universo de Mina. O livro, escrito por Manjusha Pawagi e ilustrado por Leanne Franson, conta-nos a história de uma menina que vivia rodeada de livros, e que precisamente por isso não gosta de ler. Até ao dia em que as personagens de todos aqueles livros saem acidentalmente das páginas onde pertencem, e Mina através da leitura, irá ajudá-los.

O livro está disponível em pdf, possibilitando a pais e crianças divertidos momentos de leitura on-line nos serões quentes das férias que se aproximam.

A menina que detestava livros, Manjusha Pawagi,Leanne Franson, Terramar, 2005

À noite na Ajuda

Se ainda não tem programa para 5a feira à noite dê um salto até ao Palácio da Ajuda, em Lisboa, e disfrute do programa que o museu tem para lhe oferecer no próximo dia 28 de Julho, a partir das 17h30, com entrada gratuita.

Comece pelos Vinhos e Bocadinhos, no espaço da Sala dos Archeiros, transformado em salão de chá e restaurante. Leve o seu par e divirta-se no Chá Dançante.

Às 18h30 pode participar na visita guiada “Arte Nova na Colecção de Cerâmica do Palácio da Ajuda”, por Cristina Neiva Correia, a que se segue, pelas 20h30, o concerto da Orquestra Metropolitana de Lisboa, na Sala D. Carlos. Por fim, termine a noite com o espectáculo de Dança Romântica da Academia de Dança Antiga, que se inicia às 21h45.

Aproveite esta oportunidade para deambular pelo palácio fora de horas, e deixe-se transportar para outros tempos através da música e da dança. Divirta-se!

Num instante…

Claude Monet foi o mais importante pintor impressionista. Nascido em Paris em 1840, estudou pintura desde muito novo, embora o pai quisesse que ele tomasse conta dos negócios da família. Aos 21 anos ingressou na Academia de Belas Artes, mas não gostou do ensino rígido do curso de pintura – composições rígidas, de temas bíblicos, históricos ou mitológicos, em que os modelos faziam poses artificiais e era privilegiado o desenho anatomicamente correcto.

Em 1862 saiu da Academia e conheceu Renoir, Sisley e Bazille, quando começou a estudar com o pintor Charles Gleyer. Este encontro entre os quatro jovens pintores mudou para sempre a arte da pintura, uma vez que o grupo de amigos iniciou o chamado Impressionismo.

O Impressionismo foi um movimento que deu origem a pinturas, ou representações, de pessoas comuns – retratados de corpo inteiro ou em multidão – em situações casuais ou momentos quotidianos ao ar livre. Os pintores pintavam muitas vezes ao ar livre, explorando o movimento e as variações da luz natural, bem como os efeitos desta sobre a cor. É uma pintura que se caracteriza por pinceladas fortes e rápidas, que dão ideia de movimento, sem contornos nítidos, para que a mancha de cor se torne no elemento principal do quadro, em que as cores são utilizadas puras, e não com misturas de pigmentos; são as pinceladas curtas que dão ao espectador a ilusão da combinação das cores. É caracterizada sobretudo por ser uma pintura “instantânea”, ou seja, funcionando como uma fotografia, capta um momento breve, espontâneo e natural.

Vês esta pintura de Claude Monet? Chama-se Mulher com guarda-sol e retrata a primeira mulher do pintor, Camille, e o filho mais velho, Jean, num passeio. Pintada em 1875, captou um momento casual da família, em que mãe e filho parecem ter parado um instante numa subida para olhar para o pai, que seguia atrás. Parece uma fotografia, não achas? Para reforçar a ideia de brevidade do momento, repara como Monet utiliza as pinceladas curtas de cores vibrantes, para dar uma luz intensa ao quadro e a forma do movimento do vento que empurra as nuvens e faz esvoaçar o vestido de Camille.

Lápis & Pincéis

E tu, consegues desenhar as tuas impressões?

Ao modo dos pintores impressionistas, aproveita as tuas férias, e enquanto estás no campo ou passeias pela praia, regista um momento do quotidiano.

A ideia é captares alguém da tua família, ou do teu grupo de amigos numa cena espontânea do dia-a-dia. Não te esqueças que é importante a intensidade da luz que vês, a forma como esta dá mais ou menos cor aos objectos e pessoas, e o movimento.

Para te ajudar, podes registar o momento em fotografia, e depois passá-lo para um papel.

Desenha os contornos de forma leve, e depois utiliza lápis de cor e lápis de cera para dar a intensidade da cor, o movimento e a luz ao teu desenho.

Podes também descarregar aqui a actividade.

Arte em férias

Se ainda não tem um programa para entreter as crianças nas férias, o Instituto dos Museus e Conservação oferece um vasto programa de actividades ligadas à arte e história em diversos museus de norte a sul do país.

Com preços diversificados e dirigidos a diferentes faixas etárias, os museus proporcionam às crianças a possibilidade de verem as colecções com um outro olhar, através de ateliers, workshops, oficinas, peddy-papers, teatros, visitas animadas, passeios, jogos,e muitas mais actividades.

Neste Verão, leve os seus filhos a descobrir a arte portuguesa!

Para saber mais clique aqui e ali.